Gamificação na educação: uma nova forma de aprendizagem interativa cover image

Desde o início da história da humanidade, a educação tem servido às pessoas como um processo de obtenção de conhecimento, habilidades e hábitos para melhorar a vida diária. Embora esse processo seja mais comumente feito por educadores, a modernização do processo de aprendizagem leva muitas pessoas a aprenderem sozinhas.

Quando o aprendizado tradicional começou a apresentar problemas, a educação alternativa começou a aumentar. Ela foi desenvolvida como uma reação à falta de informação e à falta de diversidade dos métodos tradicionais. Este processo levou a muitas formas informais de educar as pessoas - homeschooling, summer schooling, auto-aprendizagem, etc.

Como educar a si mesmo não é uma tarefa fácil, muitos consideram isso mais um trabalho do que uma maneira divertida de passar o tempo. É aí que entra a gamificação na educação.

O que é gamificação na educação?

A gamificação é o uso jogos em outros ambientes. Ela pode ter fases, experiência e checkpoints, que são características relacionadas a um jogo.

A tecnologia ganhou espaço no cenário educacional como nunca antes. Jovens estudantes, nascidos na era digital, usam a tecnologia em quase todos os aspectos de suas vidas. Esta é uma das razões pelas quais as pessoas precisam se adaptar ao uso de smartphones, tablets e da própria internet.

A gamificação na educação é um processo que integra a mecânica de jogo ao processo de aprendizagem interativa. Ela é usada principalmente para motivar as pessoas e tornar o processo mais divertido e agradável. A gamificação do processo de aprendizagem usa técnicas que os designers de jogos usam para envolver seus jogadores e recompensar seu progresso.

Se você não é familiarizado com a palavra gamificação, ou sobre o que é a gamificação, você pode pensar nela como se fosse um jogo e com elementos de aprendizado.

Por que a gamificação na educação deve ser usada?

Na era da crise de engajamento, há uma enorme necessidade de novos métodos não apenas para os jovens, mas também os estudantes mais velhos. A gamificação da aprendizagem alavanca o desejo natural das pessoas de se socializarem, aprenderem competir, etc., de modo que a pessoa não se sinta como se estivesse trabalhando ou se forçando a fazer algo que não queira. Mais importante, ela também recompensa o progresso e o alcance de certos níveis. Mas por que isso funciona?

Bem, a resposta para isso é bem simples, mas vamos separá-la em aspectos técnicos e psicológicos.

Os aspectos técnicos:

  • Feedback imediato: A gamificação na educação permite que o aluno obtenha feedback imediato sobre seu progresso, tornando o processo mais rápido do que nos métodos tradicionais.
  • Troca de recompensas: Um dos pilares da gamificação na educação são as recompensas. Não importa se é algo super útil ou não, mas receber recompensas por fazer certos cursos ou aprender coisas novas leva os alunos a serem mais produtivos. Além disso, quando o aluno sabe que vai ser recompensado por fazer uma tarefa, ele pega muito mais detalhes do material de estudo que está sendo dado a ele, ao contrário do livro em que ele nem está interessado.
  • O progresso é muito mais agradável: É aí que gráficos e todo o design da plataforma se sustentam. Sabe-se que efeitos visuais e sonoros podem afetar nossa produtividade e trabalho cerebral. 
  • Colaboração: A gamificação na educação não apenas permite que os alunos cooperem entre si, mas que também colaborem com amigos e compartilhem conhecimento entre eles.
  • As barras de progresso nos informam onde estamos e para onde estamos indo:Ninguém gosta de se sentir perdido, por isso é importante ter um mapa que mostre quanto trabalho você precisa fazer até chegar à linha de chegada.

Por outro lado, olhando do lado psicológico, há razões mais do que suficientes para provar que a gamificação realmente funciona.

Os aspectos psicológicos:

  • Primeiro de tudo, ela lhe dá o controle total de suas ações:  Muitos estudos psicológicos descobriram que ser forçado ou arrastado para fazer alguma coisa leva à uma queda da motivação. Quando um aluno conduz seu estudo, ele se sente no controle, o que é apreciado por muitos.
  • A gamificação na educação reforça o bom comportamento:  Um dos melhores exemplos é o Facebook. Você está fazendo um bom trabalho? Aqui, tome um like ou um share ou ganhe uma recompensa. Se você completar o curso todo, você poderá pedir seu certificado grátis .
  • Sentimento de realização:  Tudo o que fazemos, fazemos para conseguir algo. Isso é um fator psicológico muito forte para uma pessoa ter um senso de realização.
  • Gamificação na educação desencadeia uma corrida de dopamina:  Sabe-se que jogos, em que uma pessoa recebe feedback positivo sobre seu trabalho ou ganha alguma coisa, podem ativar o circuito cerebral, induzindo e liberando dopamina, que é conhecida por fazer parte do sistema de recompensa cerebral.

É claro que existem muitas razões pelas quais o processo de gamificação na educação deve ser usado. Se feito corretamente, ele pode gerar uma experiência positiva de aprendizagem.

Quais elementos a gamificação na educação usa?

Os elementos de gamificação do processo de aprendizagem interativa podem trazer muita diversidade para o aprendizado. Os materiais mais usados ​​são:

  • Barras de progresso: Como mencionado acima, é importante para os usuários verem quanto progresso eles fizeram e quanto ainda resta.
  • Níveis: Indiscutivelmente, este é o elemento de jogo mais popular que existe. É uma boa maneira de mostrar aos outros e a si mesmo até onde você chegou.
  • Distintivos: Estes são importantes para o usuário sentir que ele realizou alguma coisa. Medalhas são usadas como forma de mostrar seu progresso para outros níveis.
  • Avatares: Para ter uma sensação de propriedade, é crucial personalizar o seu perfil da maneira que você quer. Isso serve para que você possa se sentir ligado ao que está trabalhando.
  • Desafios e missões diárias: Bônus diários são usados ​​para recompensar o estudante.
  • Moeda virtual e bens. É essencial que uma plataforma tenha sua própria moeda, que pode ser usada para premiar os usuários.

A gamificação do aprendizado ajuda o cérebro a memorizar melhor

Mesmo que o cérebro humano seja provavelmente o mais avançado entre todas as espécies vivas da Terra, ele ainda não é capaz de armazenar todas as informações que recebemos através de nosso processo de estudo. Em muitas ocasiões, aprendemos algo e o esquecemos no dia seguinte, tornando a coleta de informações praticamente inútil. Os novos dados em nosso cérebro são perdidos se não forem armazenados na memória de longo prazo por meio de um processo multicamada de preparação, atenção, seleção, organização e integração de informações coletadas. Esse processo pode ser facilmente afetado pela gamificação na educação.

O cérebro pode coletar novas informações ouvindo ou vendo coisas. Logo, é muito mais fácil memorizá-las e colocá-las no banco de memória de longo prazo.

Embora a revolução digital tenha melhorado o nosso tempo de reação e as habilidades para realizar várias tarefas ao mesmo tempo, ela também diminuiu o tempo de atenção. Por isso é que há uma enorme necessidade de maneiras novas e eficazes de estudo.

Os oito principais impulsionadores da gamificação na educação

Algumas das formas mais eficazes de engajar o usuário foram descobertas pelo fundador do framework “Octalysis”, Yu-Kai Chou, que desenvolveu um projeto de gamificação centrada no ser humano que apresenta oito impulsos centrais da motivação humana. Ele acredita que aplicando essas unidades centrais é possível motivar o usuário a concluir uma tarefa de forma eficiente por meio de uma experiência interativa. A estrutura de Octalysis sugere o uso de gamificação na educação, condicionamento físico, assistência médica e design de produto para aumentar o envolvimento do usuário.

As oito unidades principais:

  1. Significado e chamado épico: Essa unidade central é conhecida como uma tarefa que é maior que você. Esse motivador central pode ser perfeitamente descrito como algo voluntário, quando você trabalha sem esperar receber o pagamento.
  2. Desenvolvimento e realização: Este é o nosso motivador interno para alcançar algo, para progredir, superar desafios e desenvolver habilidades.
  3. Capacitação da criatividade e feedback: Os usuários precisam constantemente de maneiras de se expressar através de seu processo criativo e também ver os resultados de sua criatividade obtendo feedback.
  4. Propriedade e posse:  Construir algo do nada faz com que você se sinta no controle do que está criando. Quando uma pessoa está no controle de algo, isso a leva a melhorar o que ela possui. 
  5. Influência social e relacionamento: Esta unidade é toda sobre elementos sociais que consistem em companheirismo, competitividade, aceitação social e orientação. Assim como a gamificação na educação conecta pessoas que podem ter hobbies semelhantes.
  6. Escassez e impaciência . Pode ser simplesmente explicado pelo medo das pessoas de perder algo que tenha um limite de tempo, ou que seja exclusivo. O fato de que o usuário não pode obter algo agora o faz querê-lo ainda mais.
  7. Imprevisibilidade e curiosidade . Isso leva uma pessoa a estar constantemente envolvida, já que ela não sabe o que vai acontecer em seguida. É basicamente o que torna o jogo tão viciante.
  8. Perda e evasão . O último motivador central pode ser descrito como um medo de perder algo e que é comumente usado.

Conclusão

A mudança é boa, especialmente quando é necessária. O processo de educação ao longo dos anos nunca parou de evoluir e definitivamente não precisa parar agora. É crucial andar de mãos dadas com a nova era digital e adaptar-se às nossas necessidades atuais.

Levando em conta todas as evidências físicas e psicológicas sobre como o gamificação na educação impacta nosso processo de aprendizagem, fica claro que essa mudança está indo na direção certa.

Author avatar

Written By

Vaida Jėčienė